Os desafios de uma geração?

por Mike Akama MAZUREK

Nas redes sociais digital como Facebook, Youtube, Twitter ou Instagram é comum observamos usuários que produzem e disseminam conteúdos como parte de uma busca desesperada por visibilidade e pelo reconhecimento de outros internautas. No entanto, quando esta busca coloca em risco a própria integridade física do autor do conteúdo, creio que vale pararmos para discutir o que está acontecendo.

Os exemplos que trago para discutir neste post são os famosos desafios das redes sociais. Se analisarmos os primeiros desafios que surgiram, tempos atrás, encontramos casos inofensivos e até mesmo altruístas, como, por exemplo, o Ice Bucket Challenge (Desafio do Balde de Gelo) que consistia em jogar um balde de água gelada/com gelo sobre a cabeça de uma pessoa para dar visibilidade à doença esclerose lateral amiotrófica e encorajar possíveis doações à pesquisa. Neste caso, até celebridades como Bill Gates, Cristiano Ronaldo, Mark Zuckerberg, entre outros, participaram do desafio e se mostraram simpáticos à causa, ou seja, a visibilidade aqui está sendo buscada em prol de uma causa e, aparentemente, não parece colocar em jogo a integridade física do desafiado

Porém, atualmente, os desafios que são tendência nas redes não possuem qualquer ligação com causas humanitárias e estão mais ligados à mera busca pela visibilidade (as visualizações, as curtidas, os compartilhamentos). Apelam, colocando em pauta um conteúdo que põe em perigo a integridade física do desafiado, relembrando a antiga série de TV “Jackass” em que os protagonistas passavam por situações diversas em que saiam quase sempre com algum tipo de lesão ou ferimento.

É claro que os desafios atuais que quero questionar não atingem um nível tão elevado quanto o do mencionado seriado, ainda que possam gerar riscos e perigos graves. Cabe questionar, por exemplo, o “desafio da fita adesiva” em que um adolescente desafiado acabou caindo da janela de seu quarto enquanto tentava sair da “armadilha de fita adesiva”, fraturando a órbita de um de seus olhos. Outro desafio que também ficou famoso nos últimos meses foi o desafio da canela, que consiste em colocar uma colher cheia de pó de canela na boca e aguentar um minuto sem beber água, após o feito o usuário precisa publicar o vídeo no Youtube.

Este último feito é considerado perigoso, pois engolir canela pode causar asfixia, irritação na garganta e até problemas respiratórios. Nos EUA, Arthur Williams, diretor de Huron High School, alertou os pais das crianças sobre o desafio, um dos alunos da escola foi internado por quatro dias após tentar realizar o desafio.

A questão da visibilidade na Internet é intrigante e parece-me preocupante que estes desafios tomem uma proporção tão gritante no mundo inteiro, ainda mais junto à crianças e adolescentes. Ademais, cabe lembrar o fato de que as pessoas estão colocando as suas vidas em risco pelo simples desejo de galgar o reconhecimento alheio, o que nos faz questionar tais práticas sociais.

Em uma geração de Vloggers, Youtubers, Instagramers, Facebookers, e outros, devemos ficar atentos às ações das pessoas que almejam os seus “15 segundos” de fama nos holofotes virtuais e observar até que ponto esta busca pode afetar a vida daqueles que fazem parte, ou não, deste cenário.

Afinal, a ética que busca a “vida boa” em uma sociedade, nos coloca em posição de questionar a visibilidade almejada por estes jovens. A visibilidade em si não é algo ruim, porém, os caminhos para alcançá-la e como usá-la para o convívio com os demais indivíduos de uma sociedade devem e podem ser questionados.